Vereadores visitam unidades policiais e demonstram preocupação com a segurança da cidade Paraíba, 13/08/2013


Vereadores visitam unidades policiais e demonstram preocupação com a segurança da cidade

     O vereador Olimpio Oliveira visitou na manhã desta segunda-feira ao lado do vereador Alexandre do Sindicato, presidente da Comissão de Segurança Pública da Câmara Municipal, as três Unidades de Polícia Solidária implantadas recentemente pelo Governo do Estado em Campina Grande. Além disso, os vereadores visitaram algumas unidades policiais desativadas. 




     “Na verdade, o Programa de Polícia Solidária passa longe da filosofia de Polícia Comunitária, ou seja, o Governo instalou três Postos de Polícia, os quais apenas retratam o atual quadro do Sistema de Segurança do Estado: São Unidades com poucos policiais e equipamentos. Uma situação que angustia os nossos valorosos policiais, pois eles não têm como atender as expectativas que foram geradas para a comunidade”, explicou Olimpio. 
     Segundo Olimpio, foi constatada no "Mutirão do Serrotão" a situação em que a Unidade fica fechada, enquanto a única viatura faz a ronda na comunidade. Por outro lado, a Unidade do bairro da Conceição "Rosa Mística" não tem viatura e conta apenas com dois policiais de plantão a cada dia, os quais se limitam a guardar o prédio. 




     A melhor situação foi encontrada na Unidade do "Pedregal", onde há um efetivo de 20 policiais e uma viatura, entretanto, é sensível a falta de integração com a comunidade. “Sabemos que Polícia Comunitária não se faz só com Polícia. É fundamental a participação da comunidade. Além disso, as políticas públicas precisam chegar antes da Polícia. Enfim, mais uma vez, fica o meu desencanto ao constatar que no Estado da Paraíba a estratégia de Polícia Comunitária não é levada a sério”, lamentou Olimpio.
     Os vereadores visitaram também a antiga Base de Polícia Comunitária, no Bodocongó III, desativada há vários meses. Outro ponto visitado foi o prédio da 4ª Delegacia Distrital, fechado para reforma desde outubro de 2012. Finalmente, os edis estiveram no antigo Posto da Operação Manzuá, próximo ao DETRAN, o qual atualmente serve de residência para uma família. “Como entender a lógica que permite que um Bairro populoso e afastado como as Malvinas permaneça com seus equipamentos se segurança fechados?”, indagou o vereador Alexandre do Sindicato.





Assessoria de Comunicação